O Líder dos Sonhos

Idéias sobre Autoconhecimento e Liderança

Posts Tagged ‘líder

Mozart, Beatles, Gates e as 10.000 horas

with 14 comments

Vale a pena ler os livros de Gladwell.

Vale a pena ler os livros do Gladwell.

Qual é a chave do sucesso? Bom, é claro, precisaríamos definir o que é sucesso, assunto que ultimamente tem gerado várias interpretações. Mas, para simplificar, vamos entendê-lo como aquilo que caiu no gosto do grande público, o que é popular. Assim, as sinfonias de Mozart, as canções do Beatles e as janelas do Bill Gates servem de bom exemplo do que é pop.

Li recentemente o Outliers – Fora de Série, do Malcolm Gladwell. O livro discute sobre como algumas pessoas conseguiram destacar-se, ou seja, o que fizeram para ter sucesso. E, para isso, o autor discorre sobre a importância da cultura, da família, dos amigos, da origem dos antepassados e da época de nascimento como fatores determinantes  no bom desempenho de seus projetos. Mas o grande ponto abordado é a regra das 10.000 horas, pesquisada por estudiosos.

Ela diz que, para atingir a excelência, você deve ter uma acúmulo de prática de 10.000 horas, o que equivaleria a 20h/semana em 10 anos ou 40h/semana em 5 anos. Tendemos a ser simplistas em nossas análises, achando que o sucesso e a genialidade são devidos exclusivamente à lapsos de criatividade, mas parece que o reconhecimento tem mais haver com suor do que com uma boa idéia.

Gladwell cita o exemplo de Mozart, reconhecido como um grande gênio. Ele começou a compor em torno dos 7 anos e é verdade que conhecemos algumas boas peças escritas na época da sua adolescência.  Mas as grandes sinfonias foram escritas após os 21, quando ele já acumulava bem mais de 10.000 horas de treinos, composições e apresentações.

Os Beatles, antes de estourarem, sangravam os dedos tocando muito. Eles apresentaram-se ao vivo por mais de 1.200 vezes a convite de um dono de um bar em Hamburgo, Alemanha, entre 1960 e 1964. Lennon e McCartney somavam mais de 10 anos de composições em conjunto quando retornaram à Inglaterra e estouram no mundo. Na época, eles tocavam como ninguém.

Gates também teve o seu momento de ralação. Gladwell teve a oportunidade de entrevistá-lo e ele contou uma história bem inspiradora. Na época de sua adolescência, Gates teve a oportunidade de ter, em sua escola, uma computador disponível para fazer programações. Lembre-se que isso era na década de 70, momento histórico onde computadores eram raridade. Assim, passava todas as horas possíveis programando, mesmo em seu período de férias. A chance de ter este tempo de prática, a inspiração gerada pelo concorrente Steve Jobs e uma visão empresarial geraram a Microsoft e o Windows.

A esta altura, tenho certeza de que você já está calculando o número de horas que você já se dedicou ao que gosta. Lembre-se: para ser reconhecido, tenha disciplina, constância e dedicação. Esteja preparado para as oportunidades, pois este é o único fator do sucesso que você pode dominar. Os demais parecem ser casualidades.

Anúncios

Graham Bell, o charlatão?

with 2 comments

 

"Será que alguém vai atender?"

"Será que alguém vai atender?"

Veja este relato, escrito pelo educador DeRose:

“Desde bem jovem o cientista Graham Bell começou a trabalhar no projeto que o imortalizaria: o telefone. E, como sempre acontece, pagou caro por isso.

“Bell queria casar-se com uma jovem. Certo dia o pai da donzela mandou chamar o pretendente à sua casa e humilhou-o de todas as formas, acusando-o de ser um vagabundo, dizendo que não trabalhava, que não tinha futuro, que era um João Ninguém e que se persistisse com a intenção de casar-se com sua filha, deveria abandonar aquelas idéias malucas de inventar um tal de telefone e arranjar um emprego.

“Graham Bell não podia perder tempo com emprego, já que agasalhava um ideal muito maior. Ele tinha objetivo e sabia o que queria. Sabia que era possível transmitir a palavra pelos fios telefônicos, coisa tida na época como quimera. Ele sofria muita necessidade, passava muita fome e não tinha roupas decentes para cortejar sua eleita. Às vezes, alguma boa alma o convidava para jantar e isso era o que o mantinha vivo.

“Trabalhando dia e noite, certo dia conseguiu fazer o telefone funcionar. Aquele jovem acabara de inventar o aparelho de comunicação que um século depois estaria em todas as residências e empresas do mundo! Mas… o inesperado ocorreu. Um concorrente invejoso, querendo para si os direitos da descoberta, conseguiu convencer a opinião pública de que Graham Bell era um charlatão e o legítimo inventor do telefone foi processado. Durante o julgamento foi insultado e ultrajado. Os jornais o chamaram de vigarista e charlatão. Ele foi coberto de vergonha e exprobração.

“Como consolo, no final de muito sofrimento, Graham Bell ganhou a questão judicial e teve o seu nome limpo”.

Por isso, meu amigo, mantenha-se firme!

Written by Nilzo Andrade

21/05/2009 at 7:21 am

A Perdigão venceu 2 campeonatos

with 5 comments

 

Nildemar Secches (à esquerda) é o FenIomeno!

Nildemar Secches (à esquerda) é o Fenômeno!

Como dona da Batavo, venceu o Campeonato Paulista 2009 com a vitória do patrocinado Corinthians. Mas a grande vitória mesmo foi na fusão com a Sadia.

Trabalhei na empresa do Lequetreque (aquele franguinho simpático que estampa os comerciais) durante 8 anos, sendo que nos últimos 4 fiz parte do corpo executivo. Eu percebia um grande orgulho em todos por fazer parte de uma das principais empresas do país. O exemplo de liderança do fundador, Attilio Fontana, permeava os corredores, principalmente na antiga cidade sede, Concórdia. Havia uma aura mágica que embalava o crescimento constante. Os feitos dele eram comentados por todos.

 

O Lequetreque já tomou partido.

O Lequetreque já tomou partido.

Em meus tempos por lá, a Sadia era cerca de 3 vezes maior do que a Perdigão, que passava por momentos de crise até ser capitaneada pelo competentíssimo Nildemar Secches. Com experiência no BNDES, ele assumiu o compromisso de salvar a empresa, mas acredito que ninguém na Sadia imaginava a que ponto chegaria esta história.

Neste tempo, a Perdigão comprou a já citada Batavo, as margarinas da Unilever, a Sino dos Alpes Alimentos, entra tantas outras empresas. Até que, em 2007, deu o golpe de misericórdia: comprou a gaúcha Eleva e ultrapassou a concorrente. Isso tudo aconteceu em menos de 18 anos, esquivando-se inclusive de uma oferta de compra hostil por parte da Sadia.

Esta é uma grande vitória da Perdigão, que merece todas as honras por sua competência. O modelo de liderança e sua gestão deram um banho de profissionalismo no campeonato do mercado. Só espero que meus grandes amigos que por lá trabalham tenham espaço na Brasil Foods, e que sem acostumem a morar em Itajaí, que será a sede da nova empresa.

Ah, e espero que Attilio Fontana não revire-se na tumba.

Written by Nilzo Andrade

20/05/2009 at 10:55 pm

Médico pioneiro do cateterismo é obrigado a abandonar a cardiologia

leave a comment »

Não sei se você já se deu conta, mas toda vez que algum vanguardeiro lança uma nova idéia, acabamos oferecendo resistência. É como uma vontade inconsciente que temos de evitar a mudança. Em alguns casos, acabamos condenando o descobridor do novo paradigma ao ostracismo. Por vezes, realmente acabamos com a vida da pessoa.

Leia esta caso contado pelo meu amigo DeRose sobre o médico alemão criador do cateterismo:

“Werner Forssman, nasceu em Berlim a 20 de agosto de 1904. Formou-se em medicina em 1928. Desenvolveu uma teoria que ninguém aceitava: a de que seria possível introduzir uma sonda por via intravenosa e conduzi-la até o interior do coração, sem matar o paciente. Obviamente, não poderia usar cadáveres, pois já estavam mortos. Tentou autorização dos seus superiores no hospital para levar a efeito a experimentação em algum paciente. É claro que não foi autorizado. Então, não podendo utilizar cobaias humanas, usou o seu próprio corpo.

“Cortou uma veia do braço e introduziu um cateter (a pronúncia correta é catetér e não catéter) e foi empurrando-o até que atingiu o órgão cardíaco. Para provar que havia conseguido e que tal procedimento não matava o paciente, foi até a sala de raios-x e, sob os protestos dos colegas, bateu uma chapa. Era incontestável! Ninguém poderia questionar sua descoberta que viria a salvar tantas vidas no mundo inteiro. Sua recompensa? Foi tão punido, criticado e atacado que teve de abandonar a cardiologia!

“Durante mais de duas décadas não era convidado para nada e se ousasse comparecer a algum congresso tinha que sofrer o constrangimento de ser apontado pelos seus pares como um indesejável. Após 25 anos de humilhações e exclusões, finalmente, o reconhecimento. Em 1956, recebeu o Prêmio Nobel de Medicina”.

Por sorte, ele foi reconhecido com o prêmio. Mas imagine quanta força de vontade e determinação ele deve ter tido para suportar 25 anos de exclusão? Será que nós teríamos a mesma coragem de manter a convicção num caso destes?

Encare este fato como uma vacina. Se você for um inovador, um criador, uma pessoa que estabelece novos paradigmas, tenha a certeza absoluta de que enfrentará muita resistência. Para enfrentar este fato, desenvolva coragem.

Dia do Trabalho: fim da escravidão?

with 4 comments

Escolhe um trabalho de que gostes, e não terás que trabalhar nem um dia na tua vida. Confúcio


Você não acha engraçado comemorar o Dia do Trabalho com… um feriado? Se o ganha-pão fosse prazeroso para a maioria das pessoas, não haveria a necessidade de ficar longe dele neste dia. A ansiedade pela folga reflete o desejo de fugir de uma relação que lembra àquela que foi abolida (pelo menos formalmente) há 120 anos.

Como diz o sociólogo italiano Domênico de Masi, um trabalho verdadeiramente prazeroso é aquele que você não saberia dizer onde está a froteira do estudo, do lazer e do próprio trabalho.

Para você refletir, aqui está um vídeo antiguinho (por isso a qualidade do imagem não é tão boa) com o Waldez Ludwig. Será que a relação senhor do engenho-capataz-escravo não existe mais?

Written by Nilzo Andrade

30/04/2009 at 11:34 am

O salário do professor e do juiz

with 11 comments

Que líderes formaremos quando um professor primário ganha tão pouco? Não sei se você já se fez esta pergunta, mas deveria.

A UNESCO divulgou um estudo comparativo com os salários de professores do ensino fundamental de 38 países. Ficamos no terceiro lugar, perdendo para Peru e Indonésia o posto do pior salário. O país-destino dos surfistas emplacou U$ 1.624 por ano, enquanto os incas U$ 4.752. O país do futebol quase perdeu para os peruanos, com U$ 4.818,. Bem longe da média dos países desenvolvidos, U$ 33.209 por ano.

Faça um comparativo. Um Juiz do Supremo Tribunal Federal (que tem título de Ministro em nosso país) recebe U$ 148 mil por ano. Quem faz conta de cabeça percebeu que uma pessoa formada para julgar crimes, uma função reativa, ganha quase 30 vezes mais do que uma pessoa formada para educar, uma função preventiva. Temos um sistema que investe menos no profissional que poderia diminuir o trabalho do profissional que existe para resolver coisas acontecidas. Pagamos mais para mudar o passado do que para preparar o futuro.

Acho que alguns professores têm vontade de usar um nariz vermelho.

Acho que alguns professores têm vontade de usar um nariz vermelho.

Para ser professor, é preciso  vocação. Num sistema como o nosso, os professores natos acabam migrando para outras funções para terem uma vida digna. Com um salário merreca, afastam-se do objetivo das suas vidas. Assim, a profissão de professor tende a atrair os profissionais que, ou não conseguiram um posição melhor no mercado, ou não tinham competência para tanto.

Longe de ser simplista e determinista, já podíamos ser um país desenvolvido se a situação fosse diferente. O salário baixo dos professores indica a total falta de prioridade em investir na educação desde a época que tentamos deixar de ser colônia. É um paradoxo investir na punição, no juizado, quando temos um país tão ignorante. Incentivamos o crime ao não priorizar a educação.

Pagamos bem os juízes e construímos templos seguros para o exercício digno de suas funções, enquanto os professores minguam comendo mingau em escolas depredadas com alunos que os ameaçam sem punição.

Nosso país precisa aplicar a política dos juízes nas escolas, para que elas sejam tão imponentes e seguras quanto os fóruns. Que os professores tenham status de Ministros. Que consigamos, enfim, assumirmos o papel de preparadores dos futuros líderes do Brasil varonil. Se não, haja senso de missão.

Veja aqui o exemplo de uma escola que acho interessante, não só por valorizar os seus profissionais, mas pela proposta de seu processo educativo.

Written by Nilzo Andrade

28/04/2009 at 2:44 pm

Publicado em Educação

Tagged with , , ,

Ser maestrina é exercer muita liderança

with 9 comments

No dia 9 de abril de 2009, fui assistir, à convite de meu amigo Eduardo Potério e de sua educadíssima esposa Carla, a Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (OSESP) na Sala São Paulo. Em nosso camarote, estavam presentes Marcus Siqueira (compositor dos Seis Estudos Sinfônicos apresentados naquela noite), Jana Bouskova (harpista que tocou o Concerto para Harpa de Alberto Ginastera), Marcelo Lopes (Diretor Executivo da Fundação OSESP) e Laura Ferro (Diretora da Cia. SwáSthya de Artes Cênicas).

Segundo o Marcelo, o programa não era o dos mais fáceis do ano, tanto de ouvir quanto de tocar. Foi regido pela competente maestrina portuguesa Joana Carneiro, que deu um espetáculo. Ela é enérgica e vigorosa, com um estilo muito particular. Dava para ouvir os golpes com os pés que a pequena Joana dava no tablado.

Joana sempre atenta.

Joana sempre atenta.

Com apenas 32 anos, tem uma carreira internacional exemplar, dirigindo atualmente a Orquestra Sinfônica de Berkeley. O que me chamou a atenção em sua apresentação era a maneira como exercia a liderança sobre a orquestra. Transbordando um forte estilo matriarcal, parecia estar muito atenta em cada músico, como que a educar e evitar qualquer deslize. Era com uma mãe que está atenta para que seu filho faça tudo certo. Ela transpirava cuidado, exigência e amor.

Magnética, reforçou o estilo que eu penso ser o que deve ser adotado pelos líderes neste novo momento econômico e histórico: uma liderança mais matriarcal, carinhosa, desrepressora e atenta aos sentidos, às necessidades das pessoas.

Conheça aqui o programa daquela noite e assista abaixo um breve documentário sobre a OSESP.